Como Ajudar Pessoas A Usarem Suas Chaves e Descobrirem Seus Diamantes

Já quero lhe preparar desde o início: essa leitura é louca e paradoxal…
Mas muito válida e real também.
Eu sei que de vez em quando você vê alguém querido que, nitidamente, não sabe se ajudar.
Essa pessoa, mesmo desejosa por acabar com um problema pessoal, acaba andando em círculos, e realmente corre atrás do próprio rabo o tempo todo.
Pra algumas pessoas, isso é particularmente dolorido. Ver outra pessoa amada sofrendo sem necessidade…

…Talvez Este Seja o Seu Caso.

Obviamente, sendo o mundo como é, e as pessoas diferentes como são… Nós sabemos que de vez em quando você sabe que seria capaz de resolver o problema dessa pessoa em DOIS SEGUNDOS.
Não é verdade?
Você consegue lembrar de alguém querido que vive o mesmo problema há anos, e que você resolveria em um só dia se estivesse no lugar dela?
E muitas vezes… Você consegue perceber que, por mais que seja ridiculamente fácil pra você resolver esse problema… É impossível fazer isso por ela… Porque essa pessoa se fecha em uma “casca” que a impede de receber qualquer tipo de conselho amigo ou aviso?
Isso lhe é familiar? Se sim, então…

…Imagine, agora, um homem chamado Arnaldo.

Arnaldo é alguém que vive sozinho dentro de uma penitenciária de segurança máxima.
Ele sempre quis sair de dentro daquela penitenciária. Arnaldo sempre procurou uma solução pra sair de lá e ter a liberdade tão sonhada pra sua vida.
Uma única coisa que Arnaldo não tolera, em sua busca pra sair da penitenciária, são as tentativas de outras pessoas em ajudá-lo a sair de lá de dentro.
Estas pessoas, que vivem do lado DE FORA da penitenciária, sempre tentaram ajudar Arnaldo. E nessas tentativas, sempre disseram pra ele:

“Use as suas chaves, Arnaldo!”

Elas dizem isso porque Arnaldo carrega as chaves da penitenciária consigo mesmo, dentro do seu bolso.
E Arnaldo sabe que TEM as chaves… Arnaldo sabe USAR as chaves. Arnaldo, de fato, sabe que PRECISA usar as próprias chaves para sair.
Mas ele não ouve os conselhos das pessoas que estão do lado de fora, porque ele continua dizendo pra si mesmo algumas coisas estranhas:
“Essas pessoas que estão do lado de fora não sabem do que estão falando. Elas não sabem a situação horrível em que eu vivo aqui dentro. Elas ficam falando as coisas mais óbvias do mundo pra mim, como se eu não quisesse sair daqui… Eu não vou lá fora, nem vou obedecê-las, porque aquelas pessoas ridículas não me entendem, e vão ficar me dizendo o que eu tenho que fazer… Eu já sei o que tenho que fazer! Mas um dia… Ah, um dia eu saio daqui de dentro, e vou esfregar na cara delas o quanto elas estão erradas com aquelas baboseiras que elas ficam jogando na minha cara… Elas fazem tudo isso como se eu não fosse capaz de cuidar da minha própria vida… Mas amanhã… Amanhã eu vou usar as chaves… Sim, amanhã cedo, quando eu acordar, eu vou usar as chaves… E finalmente sair daqui de dentro…”
Isso soa paradoxal demais pra você?

E você consegue, em algum nível,
se familiarizar com essa situação?

O que Arnaldo não percebe é que parte do motivo dele continuar preso dentro daquela penitenciária é não saber ouvir as pessoas que já conseguiram sair de lá.
Pessoas que não sabem ser ajudadas perpetuam seu sofrimento – e muitas vezes, dizem elas, pelo grande prazer de terem a autonomia de fazer somente o que querem, e de não terem que ouvir, obedecer e se submeter às ordens de outras pessoas.
Arnaldo prefere a autonomia de sua prisão à liberdade de ter que ouvir outras pessoas. Prefere se isolar naquele mundo do interior de sua cela a lidar com a realidade lá fora.
Curiosamente, ele nunca desenvolve a vontade espontânea de fazer o que as outras pessoas sugerem que ele faça…
Não… Isso nunca acontece.
Portanto, ele não faz, necessariamente, aquilo que ele quer. Ele só tem o poder de fazeraquilo que não é o que as outras pessoas querem que ele faça.
Isso é muito diferente de fazer o que se quer fazer… MUITO DIFERENTE!
Arnaldo é profundamente influenciável, mas não sabe disso. Vive dizendo que “ninguém manda nele” quando, na verdade, todo mundo está dando ordens que são obedecidas como…

…O contrário do que elas querem dizer.

Não se espante se, na sua vida, o Arnaldo que vive próximo de você sempre faz o contrário do que você sugere.
Arnaldo desobedece as pessoas conscientemente. Mas, com isso, se afastainconscientemente de muitas das soluções mais simples e rápidas da sua vida.
E é por essa inconsciência que ele faz tudo isso, a despeito dessa prisão significar SOFRIMENTO.
O que Arnaldo não entende é o seguinte: se existe um motivo pra alguém lhe dizer a mesma coisa de novo e de novo… É porque, se essa pessoa não tem o mesmo problema que ele…

…Talvez essa pessoa esteja CERTA!

E, se ele não dá nenhuma chance às palavras dessa pessoa, então ele está desperdiçando uma oportunidade potencial de crescer.
Então… Vamos torcer para que muitos Arnaldos descubram isso em suas vidas.
Talvez você conheça um Arnaldo na sua vida.
Talvez você até mesmo SEJA um Arnaldo em algum conexto da sua vida.
Mas… Como resolver o problema do Arnaldo?
Uma estratégia útil, na minha opinião é:

Com um silêncio absoluto!

Por quê?
Simples. Às vezes, o caminho pra fora da penitenciária é óbvio. Todo mundo sabe como é. Só que tem gente que acredita que autonomia só existe na discordância. O Arnaldo sofre disso. Se ele concordar com outros, não estará exercendo a SUA própria vontade.
Portanto, Arnaldo vai discordar de todo e qualquer aviso que vier em seu caminho. Mesmo de pessoas que o amam (eu diria que “AINDA MAIS DE PESSOAS QUE O AMAM”).
E não vai querer trilhar os passos mais óbvios pra chegar onde quer, só porque “todo mundo faz isso, e eu quero ser diferente, original, valioso, único”.
Se você permanece em silêncio, ele não vai passar pelo problema de discordar de você e desobedecer-lhe na obrigação de conseguir provar a si mesmo que tem autonomia, e com isso, você ajudará o Arnaldo a não se sabotar no meio do caminho.
Mas às vezes, o problema não é exatamente esse, ou não é só isso.

Às vezes, pode ser que o Arnaldo não saiba que tem as chaves.

Nem sempre as pessoas estão preparadas para reconhecer as chaves das suas prisões, mesmo quando elas estão tilintando nos seus bolsos.
E estas chaves, pra estas pessoas, são tão valiosas quanto um diamante… Só que elas não estão preparadas para reconhecer um diamante em suas vidas.
Você saberia reconhecer um diamante em sua vida?
Se você estivesse andando pela rua e esbarrasse em uma pedra que parece um caco de vidro no chão, e ele FOSSE um diamante…

…Você saberia RECONHECER que a chance de ter um diamante passou pela sua vida?

Pessoalmente, eu não reconheceria um diamante no chão porque não sou um joalheiro.
Nem hoje, e nem em um ano, provavelmente.
É improvável… Mas pode ser que eu JÁ TENHA chutado um caco de vidro por aí que fosse, na verdade, um diamante.
Eu acredito que eu mesmo já tenha chutado VÁRIOS diamantes ao longo da minha própria jornada. Afinal, eu não sei tudo… Nem você sabe. E nem o Arnaldo.
E assim as pessoas fazem com muitas oportunidades que estão na sua frente…
E talvez nós estejamos fazendo isso AGORA.

Sim, Nós CHUTAMOS Grandes Oportunidades Em Nossas Vidas, O Tempo Todo.

Muitas pessoas dizem: “ter um diamante seria legal. Mas eu não posso ter um. Isso não é pra mim. Não é tão importante assim, nesse momento.”
Outras pessoas vão mais longe: “essa história de diamante é pra boi dormir. Eu nunca vou ter um diamante.”
Daí, um dia qualquer, essas pessoas reconhecem que, por algum motivo, elas PRECISAM possuir e usar o diamante, e só terão uma pessoa a quem recorrer: ao joalheiro de plantão, que está oferecendo diamantes a estas pessoas há vários anos.
Mas, nesse caso, pode ser que ela não esteja preparada pra OUVIR quem pode ajudá-la. Pode ser que quem precisa e QUER um diamante não saiba como ser ajudado por você, que é o joalheiro.
E, no contexto da nossa conversa, estamos tentando responder o seguinte:

Como Você Vai Ajudar o Arnaldo Que Você Conhece?

Por isso, eu já sei que você sabe que esse joalheiro é VOCÊ, nesse caso. :-)
Contra pessoas que não sabem ouvir, eu recomendo que você saiba esperar o momento certo de falar, compartilhar e ensinar o que você tem de melhor.
Você precisa tornar essa pessoa receptiva. E isso é NECESSÁRIO pra que ela te ouça.
Quais são suas estratégias para tornar uma outra pessoa mais receptiva às suas palavras?
A minha principal é:

Silêncio!

O restante é fazer mais do que eu sei que vc está fazendo: sendo sábio, mantendo a lição que lhe tirou daquela penitenciária e vivendo o amor.
Mas daqui, tem algo que podemos tirar para nós mesmos (eu e você): sabendo que nós chutamos tantos diamantes por aí, vamos nos comprometer em NÃO DEIXAR que um dia sequer se passe sem que nós tenhamos aprendido pelo menos uma única lição a mais sobre como reconhecer um diamante que precisamos para mudar as nossas próprias vidas.
Abraços fraternos,
Rodrigo Santiago – Life Coach.

Publicação original: http://espalheoamor.com.br/como-ajudar-pessoas-a-usarem-suas-chaves-e-descobrirem-seus-diamantes/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+espalheoamor+%28www.espalheoamor.com.br%29

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s